מרץ 14, 2024

Algo não cheira bem na identificação das espécies de Conepatus no Brasil / Something doesn't smell right in the identification of Conepatus species in Brazil

Boletim iNaturalist - Edição Especial Discussões da Comunidade

Olá, observadores da natureza!

Discussões sobre a identificação de espécies do gênero Conepatus no Brasil são relativamente comum na comunidade iNaturalist. Confira abaixo os principais pontos:

Historicamente, duas espécies eram reportadas para o Brasil:
Conepatus chinga (Molina, 1782), ocorrendo mais ao sul do país nos campos dos Pampas (Kasper et al. 2013)

Conepatus semistriatus (Boddaert, 1785) com distribuição para os biomas do Cerrado e Caatinga (Cavalcanti et al. 2013);

Continua abaixo:






















Espécies registradas no Brasil
Foto Espécies Distribuição



Conepatus chinga (Molina, 1782)



Conepatus semistriatus (Boddaert, 1785)

No entanto, pesquisadores (Schiaffini et al., 2013) comparando o material genético de indivíduos coletados em países da América do Sul (incluindo Centro-Oeste e Nordeste do Brasil) e do México (país onde a espécie C. semistriatus foi descrita pela primeira vez) encontraram algo mais. Observaram que os indivíduos descritos como C. semistriatus Centro-Oeste e Nordeste do Brasil estavam mais próximos do C. chinga do que comparado com as amostras do C. semistriatus. A evidencia levou a concluir que os indivíduos identificados anteriormente como C. semistriatus no Brasil, na "verdade", eram C. chinga. Aparentemente, a espécie também apresenta uma grande variação na pelagem, o que torna uma característica insuficiente para identificação.

Outros pesquisadores (Feijó & Langguth, 2013) também chegaram a conclusão que o nome C. semistriatus não deveria ser aplicado a espécie que ocorre no Brasil. Recordaram então o nome sugerido de *C. amazonicus (Lichtenstein, 1838) para o Conepatus com distribuição para Cerrado e Caatinga, descrito pela primeira vez para região. Conforme contam, o coletor do indivíduo descrito C. amazonicus não utilizava o aplicativo do iNaturalist com GPS naquela época (século XIX), quem descreveu a espécie reportou a localidade como "habita en la región del río Amazonas". Acontece que o Rio Amazonas tem quase 7 mil Km de extensão, o segundo maior do mundo, ficando para trás apenas do Rio Nilo. Como o coletor foi um viajante que percorreu os estados do Pará, Maranhão e o Ceará, por conveniência restringiu-se a localidade tipo ao município de São Benedito, Ceará de onde existe o material preservado no Museu Nacional.

Para a Sociedade Brasileira de Mastozoologia (SBMz), a espécie Conepatus amazonicus foi aceita e já inclusa na última lista de espécies do país Quintela et al., 2020, contudo, a espécie ainda não é reconhecida internacionalmente pela IUCN. No iNaturalist a espécie é considerada como um Taxon inativo, passando pelo processo de mudanças na classificação da plataforma. Sugestões quanto a reativação do taxon chegaram a conclusão que como o iNaturalist usa a classificação baseada no banco de dados de Mamíferos da Sociedade Americana de Mastozoologia (ASM) e que a espécie C. amazonicus não é reconhecida. A orientação do coordenador do grupo é que para a reativação acontecer pelo iNaturalist, é necessário que aconteça anteriormente para o banco de dados da ASM.

Essa discussão mostra a importância do compartilhamento de conhecimento e da colaboração entre os observadores para um melhor entendimento da biodiversidade. Continuem contribuindo com suas observações e participando das discussões na plataforma!

Até a próxima edição do boletim iNaturalist!

Naturalist Newsletter - Special Edition Community Discussions

Hello, nature observers!

Discussions about identifying species of the genus Conepatus in Brazil are relatively common in the iNaturalist community. Check out the main points below:

Historically, two species were reported for Brazil:
Conepatus chinga (Molina, 1782), occurring further south in the Pampas fields (Kasper et al. 2013)

Conepatus semistriatus (Boddaert, 1785) with distribution in the Cerrado and Caatinga biomes (Cavalcanti et al. 2013);

Continues below:






















Species recorded in Brazil
Photo Species Distribution



Conepatus chinga (Molina, 1782)



Conepatus semistriatus (Boddaert, 1785)

However, researchers (Schiaffini et al., 2013) comparing the genetic material of individuals collected in countries in South America (including the Midwest and Northeast of Brazil) and Mexico (the country where the species C. semistriatus was first described) found something else. They observed that individuals described as C. semistriatus from the Midwest and Northeast of Brazil were closer to C. chinga than compared to C. semistriatus samples. The evidence led to the conclusion that individuals previously identified as C. semistriatus in Brazil were actually C. chinga. Apparently, the species also presents a great variation in fur, which makes it an insufficient characteristic for identification.

Other researchers (Feijó & Langguth, 2013) also concluded that the name C. semistriatus should not be applied to the species that occurs in Brazil. They then recalled the suggested name C. amazonicus (Lichtenstein, 1838) for the Conepatus with distribution in the Cerrado and Caatinga, first described for the region. As they tell, the collector of the described C. amazonicus individual did not use the iNaturalist app with GPS at that time (19th century), who described the species reported the locality as "habita en la región del río Amazonas". It turns out that the Amazon River is almost 7,000 km long, the second largest in the world, behind only the Nile River. As the collector was a traveler who traveled through the states of Pará, Maranhão, and Ceará, for convenience, the type locality was restricted to the municipality of São Benedito, Ceará, where the material is preserved in the National Museum.

For the Brazilian Society of Mammalogy (SBMz), the species Conepatus amazonicus was accepted and already included in the latest species list of the country Quintela et al., 2020, however, the species is not yet recognized internationally by the IUCN. In iNaturalist, the species is considered an Inactive Taxon, going through the change process in the platform's classification. Suggestions regarding the reactivation of the taxon came to the conclusion that since iNaturalist uses the classification based on the Mammal Database of the American Society of Mammalogists (ASM) and that the species C. amazonicus is not recognized. The group coordinator's guidance is that for reactivation to occur in iNaturalist, it must first occur in the ASM database.

This discussion highlights the importance of sharing knowledge and collaboration among observers for a better understanding of biodiversity. Keep contributing with your observations and participating in discussions on the platform!

Until the next edition of the iNaturalist newsletter!

הועלה ב-מרץ 14, 2024 06:43 אחה"צ על ידי daygo_nf daygo_nf | 2 תצפיות | 0 תגובות | הוספת תגובה

ארכיונים